Cliquem aqui, http://radiovitrolaonline.com.br/, acionem a Rádio Vitrola, minimizem e naveguem suavemente sem comerciais.

.- A ÁRVORE QUE O SÁBIO VÊ, NÃO É A MESMA ÁRVORE QUE O TOLO VÊ! William Blake, londrino, 1800.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

A CASA DO POVO - O MEDO É MAU COMPANHEIRO...


O Grito (no original Skrik) é uma série de quatro pinturas do norueguês Edvard Munch

COM MEDO DO POVO

Os políticos sempre sentiram um medo desgraçado de urnas eleitorais e sei disso porque fui um deles. Mas os tempos mudam, e com ele os políticos, o mundo, as coisas e os medos! Político hoje já não tem mais medo de urnas, resalvando, claro, os chamados “bagrinhos” recrutados apenas para angariar votos para as suas legendas ou coligações. Políticos, hoje, nesses novos tempos passaram a ter, não simplesmente novos medos, mas uma inexplicável paúra do cidadão comum, do eleitor, ou seja, para propositalmente generalizar: do POVO.

Ontem, 30 de Agosto de 2012, “desfrutei” da oportunidade de medir o tamanho da indelicadeza (que me perdoe o autor da brilhante ideia...) adotada pela direção da Casa ao estabelecer normas de procedimento a ser cumpridas pelo cidadão que se dispuser a comparecer àquele Próprio municipal, que, “antigamente”, republicanamente se convencionava chamar de “A CASA DO POVO”.

Na referida oportunidade, sem pretender abusar da paciência dos meus concidadãos, confesso ter me sentido vítima de CONSTRANGIMENTO pessoal quando tentei adentrar o prédio para contato com um vereador amigo (meu candidato, por sinal) com quem, por telefone, havia agendado uma visita. Muito bem, estando de carro, me dirigi ao estacionamento disponibilizado para visitantes. Com a cancela fechada fui educadamente abordado e devidamente identificado pelo funcionário com apresentação de documentos pessoais e placa do veículo. Procedimento, convenhamos correto porque afinal a Câmara de Vereadores não é lá nenhuma “Casa de Mãe Joana”. Pois bem, em seguida a ter estacionado meu carro fui orientado por outro funcionário, também de forma correta e Cortês, a tomar uma rampa, pelos fundos do prédio, cujo acesso me levaria diretamente à recepção principal. No balcão da referida, veio, além de nova identificação pessoal, também o pior, o despropositado, o pouco inspirado para não dizer pouco inteligente, isto é, teria de me submeter, segundo a funcionária, ao constrangimento de ser também fotografado, constrangimento, diga-se de passagem, mesmo não sendo advogado, de duvidosa legalidade. Apenas para que fique bastante claro, não estou me referindo a câmeras de vigilância, úteis e tão necessárias nos dias que correm, mas me referindo a uma CÂMERA FOTOGRAFICA, mesmo! Claro que não me deixei submeter. Depois de registrar em alto e bom som que via na descabida exigência mero fruto de “distorção ou insuficiência intelectual” de alguém, me retirei e fui para outros afazeres. Quanto ao entendimento com o nobre vereador e dileto amigo que “tentei” visitar, certamente o farei, mas fora daquela “CASA DO POVO” para não me submeter ao desproporcionado constrangimento de ser recebido novamente, não como um cidadão, mas como pivete, como bandido, como narcotraficante ou ladrão comum.

Doeu, e muito, não só na minha qualidade de cidadão, mas também por ter sido membro daquela Casa, como vereador por duas legislaturas... Isto claro, nos tempos de CASA DO POVO.

José Raul Machado Ribas

RG. 3.864.083



Raul; 
As fotos infra, as quais colhi em 13 de agosto de 2012, representam o meu apoio ao seu desabafo. 
Um grande abraço, do seu amigo, Serjão.






quinta-feira, 30 de agosto de 2012

O Homem e o templo. O céu e o mar.



(Não me veja na foto. Se veja.)
As nuvens se condensam no céu, para em breve se precipitar.
A natureza se prepara, então, para novamente chorar.
Será lançando sobre a terra, intensamente, as divinas gotas que tudo pode curar.
O homem estremece, se perdendo no infinito. E, através do profundo olhar, tudo reverenciar.
O movimento da vida traz à lembrança de que é preciso, sempre, agradecer e, também, tudo honrar.
As águas preencheram, com abundância, os vazios da terra, oferecendo os meios para tudo germinar.
A Natureza, por sua vez, seguirá seu ciclo, em harmonia, expressando beleza e propondo o eterno continuar.
O templo sagrado é iluminado, para ser reverenciado. Pois, é o momento de orar para de todos, depois, cuidar.
As preces do homem, ao contrário da chuva que descem, sobem tocando o coração do Divino, num constante suplicar.
Entre as águas do mar e o azul do céu, através do fluir do ar, a Natureza se revela e se põe tudo a encantar.
Entre o belo tocar das águas de baixo com as água que estão a se precipitar, o homem, como sacerdote, se coloca então a rogar.
Neste momento, a Divina Sophia se faz ouvir, pois a sabedoria suprema se revela num constante produzir.
 José Paulo Ferrari – 25 de agosto de 2012, sábado de inverno.


Salve, grande José Paulo Ferrari, muito obrigado e um grande abraço.

CAVEX - COMANDO DE AVIAÇÃO DO EXÉRCITO - 02 SETEMBRO 2012 - O CAAT ESTARÁ PRESENTE




300.000 visitantes ao ecoeantigos. Obrigado.



Herculandenses visitam o Ecoeantigos


Eiko Fukushiro, Sueli G. Rossetto e Sílvio de Oliveira,  nos dando a honra de suas visitas.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012